quarta-feira, 14 de maio de 2014

Profissão Repórter mostra a realidade e o caos do Complexo Penitenciário de Pedrinhas no Maranhão

O presídio de Pedrinhas registrou 260 mortes nos últimos onze anos.
A maioria dos assassinatos envolve briga entre duas facções rivais.


O Profissão Repórter esteve no Maranhão para conhecer os detentos do Complexo Penitenciário de Pedrinhas. A equipe de repórteres também mostrou como anda a investigação do caso dos ônibus incendiados por ordem das facções do presídio.

O presídio de Pedrinhas registrou 260 mortes em 11 anos e a maioria envolve duas facções rivais. Os últimos casos aconteceram dentro do centro de detenção provisória, onde quatro presos foram mortos. Três deles decapitados. Desde o ano passado, foram 67 mortos.

Dentro do centro de detenção, que é dividido em quatro pavilhões, a lei do silêncio impera. Caco Barcellos conversou com alguns detentos, mas nenhum deles assumiu a existência de facções ou de um líder. Dizem que as mortes acontecem por desentendimentos entre presos da baixada e da capital.

Entre as vítimas da violência fora da penitenciária está a menina Ana Clara, que morreu queimada após um ataque a ônibus. Sua mãe e o entregador Márcio, que teve 72% do corpo queimado ao tentar salvar a garota, ainda se recuperam dos ferimentos. Mais de 3 meses após  ele ainda sente dores.
                                  

Depois de uma grande rebelião no fim de 2013, quando nove presos foram mortos, os detentos chamados de “neutros”, que não pertencem a nenhuma facção, foram separados dos outros. Depois da criação do pavilhão dos neutros, em março, nenhum preso foi torturado ou assassinado. Click aqui veja Profissão Repórter


Por Profissão Repórter 

Nenhum comentário:

Jovem de Rosário morre ao ser atropelada por caminhonete em São Luís; o motorista atropelador fugiu

Uma jovem identificada como Rosany Alves, residente na cidade de Rosário, morreu, na madrugada deste domingo (27), em São Luís, vítima de at...