segunda-feira, 3 de julho de 2017

Férias de julho começam com praias poluídas em São Luís

Julho é o mês das férias escolares, mas os jovens de São Luís não vão poder desfrutar do tempo livre nas praias da região metropolitana. De acordo com o último laudo que atesta as condições de balneabilidade da praia, todos os trechos monitorados estão impróprios para o banho.

O último laudo foi divulgado na quarta-feira, dia 28, e refere-se ao período de monitoramento realizado entre os dias 28 de maio e 25 de junho. De acordo com as análises, todos os 21 trechos monitorados na região metropolitana estão impróprios para o banho.
A situação compromete o lazer principalmente dos jovens que estarão de férias nesse período. Com as praias poluídas, diminuem as opções de lazer na capital maranhense, que já é carente de opções de diversão.
Laudos
De acordo com o último laudo, todos os trechos localizados entre as praias da Ponta d’Areia; São Marcos; Calhau; Olho d’Água; do Meio; e Araçagi estão impróprios para o banho por causa do alto índice de poluição presente na água.
As amostras de água são colhidas regularmente em situação de maré baixa e na isóbata de 1m. O monitoramento obedece aos padrões fixados na Resolução do Conselho Estadual de Meio Ambiente (CONAMA) nº 274/00, segundo a qual, as águas das praias serão consideradas próprias, quando em 80% ou mais de um conjunto de amostras, obtidas em cada uma das cinco semanas anteriores, e colhidas no mesmo local, houver no máximo 100 Enterococos/100 mL (NMP – Número Mais Provável). As águas das praias serão consideradas impróprias, quando não atenderem aos critérios anteriores, ou quando o valor obtido na última amostragem for superior a 400 Enterococos/100 mL (NMP).
A Sema passou a divulgar os laudos com as condições de balneabilidade das praias após Ação Civil Pública (ACP) proposta pelo Ministério Público Federal (MPF) do Maranhão obrigando a secretaria a divulgar as condições de balneabilidade das praias de São Luís, Raposa, São José de Ribamar e Paço do Lumiar, incluindo a fixação de placas em trechos impróprios para banho.
Em 2012, as praias da Região Metropolitana de São Luís passaram quase 200 dias interditadas pela Sema após a divulgação de um laudo, no dia 25 de março daquele ano, segundo o qual toda a orla estava imprópria para banho. A liberação ocorreu dia 11 de outubro, após a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) executar obras de melhoria do sistema de esgotamento sanitário de São Luís.


Reportagem de O Estado

Nenhum comentário:

TSE propõe voto distrital misto para vereador em 2020

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pretende modificar as regras eleitorais já para o próximo ano em que serão realizadas eleições munici...