segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Temer diz que sempre houve falta de confiança de Dilma

Carta do vice-presidente foi vista pelo Planalto como um passo em direção ao rompimento com o governo

O vice-presidente Michel Temer enviou uma carta nesta segunda-feira, 7, à presidente Dilma Rousseff na qual relata uma série de episódios que demonstrariam a falta de confiança que sempre existiu em relação a ele e ao PMDB. O gesto foi visto pelo Palácio do Planalto como um passo do vice em direção ao rompimento com o governo.

No documento, de três páginas, Temer afirmou que ele sempre se colocou à disposição de Dilma e trabalhou para que o PMDB apoiasse a sua reeleição no passado. Ele lembrou que o partido só se manteve na chapa porque ele liderou o movimento pró-Dilma na convenção da sigla.

O vice também disse não concordar com o fato de Dilma ter escolhido o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), como interlocutor e responsável por indicar os nomes que vão compor a comissão especial que vai analisar o pedido de impeachment.

“Falar com o PMDB através do Picciani não é correto, já que Temer é o vice-presidente da República e presidente do partido”, disse um interlocutor do peemedebista.

Após vir a público parte do conteúdo da carta, a assessoria de imprensa do vice confirmou a existência do documento no Twitter. Em uma sequência de nove mensagens, a assessoria fala da questão da confiança, mas nega que ele tenha proposto rompimento com o governo.

“Ele rememorou fatos ocorridos nestes últimos cinco anos, mas somente sob a ótica do debate da confiança que deve permear a relação entre agentes públicos responsáveis pelo país”, diz o comunicado.

Nesta segunda-feira cedo, antes de um dos principais aliados de Temer, Eliseu Padilha, oficializar a sua demissão da Secretária de Avição Civil, Dilma tentou minimizar o desembarque do PMDB do governo e distanciamento entre ela e seu vice, voltando a repetir que sempre confiou em Temer. "Não só confio como sempre confiei", afirmou.

Por ser advogado, o Planalto chegou a cogitar que Temer poderia se envolver diretamente na defesa do mandato de Dilma. Entretanto, assim que foi deflagrado o processo de impeachment, na última quarta-feira, os dois tiveram apenas um rápido encontro e o vice descartou participar formalmente da defesa.

Auxiliares da presidente dizem reservadamente que a postura de Temer passa a imagem de que ele está conspirando para chegar ao poder. Aliados do vice, por sua vez, dizem que Dilma e os ministros do PT querem jogar toda a culpa nas costas do vice como se dessem um ultimato a ele.

Após a revelação da existência da carta, que deixou Temer "surpreso" e "irritado", o vice convocou uma reunião no Palácio do Jaburu com membros do PMDB. Dilma, que disse que queria conversar com o vice ainda nesta segunda, foi para o Alvorada, onde se reuniu com ministros do núcleo duro do seu governo. Aliados do peemedebista avisam que um encontro entre os dois, neste momento, "é difícil" e terá que ser "muito bem costurado".


Por Estadão

Nenhum comentário:

Prefeita Irlahi não mostrará para Bolsanaro em Agosto a estrutura do hospital SESP de Rosário

A prefeita de Rosário  Irlahi Moraes que não investe na saúde não terá coragem  de mostra as estruturas do hospital SESp para o president...